AT&T tem planos de vender uma série de divisões e "ativos" não úteis

#Notícias | DirecTV, Warner Bros. Games, CNN, Crunchyroll, e outros são os principais alvos
Billy Butcherem

AT&T Inc. tem sido chamada de muitas coisas ao longo de sua história de 135 anos: Ma Bell, monopólio, conglomerado de mídia.

A empresa, cujas raízes remontam aos direitos de patente do inventor do telefone Alexander Graham Bell, foi a empresa telefônica dominante durante grande parte do século XX. Tão dominante, na verdade, que foi desmembrado em 1982 como parte de um acordo com as autoridades antitruste. Mas esses negócios finalmente começaram a se fundir, culminando com a SBC Communications - uma das chamadas Baby Bells - adquirindo a AT&T em 2005 e assumindo o nome.

Esse não foi o fim de tudo. O que se seguiu foi uma seqüência de negociações que transformou a AT&T em um novo gigante, abrangendo televisão, mídia e publicidade. Após uma tentativa fracassada de adquirir a T-Mobile, a empresa comprou a fornecedora de TV via satélite DirecTV em 2015 por US $ 49 bilhões, tornando-se a maior provedora de televisão paga.

Ela comprou a Time Warner em 2018 por US $ 85 bilhões, tornando Ma Bell a improvável empresa-mãe da HBO, CNN, Warner Bros. e DC Comics. A operadora também fez negócios menores, como a aquisição da AppNexus em 2018, uma plataforma de anúncios online.

E mais uma vez, a AT&T era grande demais.

Desta vez, não é o governo pressionando para reduzir o peso da empresa, embora o Departamento de Justiça se tenha oposto sem sucesso ao acordo com a Time Warner, mas seus próprios investidores e CEO John Stankey.

Stankey assumiu o comando em julho, colocando-o no comando de uma empresa com dívidas pesadas e um negócio de mídia que foi devastado pela pandemia. A AT&T também foi desviada para a terceira posição no segmento de telefonia sem fio este ano, após a aquisição da Sprint Corp pela T-Mobile US Inc.

A empresa havia acabado de lançar a HBO Max, uma tentativa de assumir a Netflix Inc. e a Walt Disney Co. em streaming, mas talvez a questão mais urgente fosse desfazer parte do trabalho de seu antecessor.

O último CEO, Randall Stephenson, passou grande parte de sua gestão de 13 anos obcecado por negócios. Ele manteve uma lista codificada por cores de empresas potenciais que queria que a AT&T comprasse, o que levou a 43 aquisições.

Agora Stankey tem sua própria lista de tarefas: coisas que deseja vender. “Isso vai nos manter ocupados por um pouco de tempo.”

Críticos como o investidor ativista Elliott Management Corp. pediram que a AT&T se concentrasse em seus serviços de assinantes e retrocedesse em sua estratégia de fusões e aquisições "go-big-or-go-home" por meio de aquisições, incluindo a DirecTV.

“Quando você olha o que funcionou ou não funcionou nas telecomunicações, vê que os conglomerados e a construção de impérios não foram recompensados ​​pelo mercado”, disse Todd Lowenstein, estrategista-chefe de ações do Private Bank do Union Bank.

Com isso, a AT&T separou as principais Divisões e Conglomerados na qual ela possui, e que contém objetivo ou desejo de vender (apesar de alguns desses serem contra a vontade da WarnerMedia):

  1. DirecTV
  2. Vrio
  3. Warner Bros. Interactive Entertainment / Warner Bros. Games
  4. Crunchyroll
  5. CNN
  6. Xandr
  7. Warner Bros. RSN
  8. Digital Life
  9. AT&T Mexico
Fonte: Bloomberg
Veja Também:
A evolução das Placas de Vídeo: De acessórios a Itens de desejo
Confira um incrível gameplay em 4K de Halo Infinite rodando no Xbox Series X
Rocksteady Studios divulga a arte oficial de Suicide Squad: Kill the Justice League
Free Fire terá evento temático com o filme Venom: Tempo de Carnificina
Voice of Cards: The Isle Dragon Roars é o novo jogo de Yoko Taro
Techland confirma a chegada de Dying Light 2 ao Nintendo Switch com versão via Cloud