CEO da Riot Games é processado por ex-assistente alegando assédio sexual

CEO da Riot Games é processado por ex-assistente alegando assédio sexual

A Requerente também está entrando com uma ação legal contra a empresa, alega que ela foi demitida indevidamente
#Games Publicado por Billy Butcher, em

A desenvolvedora de League of Legends, Riot Games, e seu CEO, Nicolo Laurent, estão enfrentando um processo de assédio sexual de ex-assistente do executivo.

A reclamação foi apresentada no Tribunal Superior do Condado de LA em 7 de janeiro e agora foi compartilhada pela VICE.

Nele, Sharon O'Donnell busca indenização por nove questões, incluindo discriminação sexual, assédio ambiental hostil e falta de pagamento de salários.

O'Donnell foi contratada como assistente executiva em outubro de 2017, reportando-se diretamente a Laurent.

Ela afirma que um "padrão de assédio" começou logo depois que ela foi contratada e "continuou até o fim de seu emprego", que O'Donnell alega ter sido encerrado injustamente em julho de 2020.

Os exemplos incluem alegações de que Laurent disse a ela para ter cuidado com seu tom e ser "mais feminina", repetidamente gritou com ela e falou em um tom condescendente, e olhou para ela "de uma forma sexual ao discutir sua roupa íntima."

Também é alegado que o CEO pediu a sua assistente para trabalhar em sua casa enquanto sua família estava fora, perguntando se ela "poderia cuidar dele quando eles estivessem sozinhos em sua casa", bem como disse a ela para "ir" para a casa dele enquanto sua esposa estava ausente.

O'Donnell relata que recusou esses pedidos, o que, segundo ela, aumentou a hostilidade de Laurent em relação a ela.

Ela afirma que suas funções foram retiradas, o que ela reclamou com Laurent e com o departamento de Recursos Humanos, e ela acabou sendo demitida.

Além disso, O'Donnell afirma que não foi paga por todas as horas de trabalho, incluindo horas extras, e que não teve descanso legalmente exigido e intervalos para refeição.

A ação requer julgamento por júri. A Riot Games disse à VICE que Laurent continuará em suas funções enquanto investiga as alegações de O'Donnell.

Na declaração completa dada a Games Industry, um porta-voz da Riot disse:

"Nos últimos anos, a cultura do local de trabalho tem sido uma de nossas principais prioridades e estamos orgulhosos das medidas que tomamos para tornar a Riot Games um ótimo lugar."

"O fundamental para dar aos Rioters confiança em nosso compromisso com a transformação da cultura é levar muito a sério todas as alegações de assédio ou discriminação, investigando minuciosamente as reclamações e tomando medidas contra qualquer pessoa que tenha violado nossas políticas."

"Neste caso, como algumas das reivindicações se referem a um líder executivo, um comitê especial de nosso Conselho de Administração está supervisionando a investigação, que está sendo conduzida por um escritório de advocacia externo."

"Nosso CEO prometeu total cooperação e apoio durante este e estamos comprometidos em garantir que todas as reivindicações sejam totalmente exploradas e devidamente resolvidas."

O porta-voz acrescentou que as alegações de O'Donnell sobre sua demissão são "simplesmente falsas", em vez disso relatou que ela foi demitida da Riot há mais de sete meses "com base em várias reclamações bem documentadas de uma variedade de pessoas".

A Riot Games já está enfrentando uma ação coletiva de vários ex-funcionários por discriminação de gênero e assédio sexual, um caso que a empresa repetidamente tentou levar para fora dos tribunais e para a arbitragem individual .

De acordo com o documento de reclamação, O'Donnell não é um dos representantes de classe nomeados neste caso.

Um acordo preliminar para este caso teria visto a ex-equipe da Riot receber US$ 10 milhões, mas uma intervenção do Departamento de Justo Emprego e Habitação potencialmente aumentou esse valor para mais de US$ 400 milhões.

A ação coletiva, movida em novembro de 2018, ocorreu após uma denúncia de Kotaku sobre a cultura tóxica da Riot Games, com várias denúncias de assédio sexual e discriminação de gênero.

Laurent escreveu uma carta aberta, publicada em Games Industry, compartilhando algumas das lições que a empresa havia aprendido após as reclamações originais sobre sua cultura sexista.

Billy Butcher
Billy Butcher #BillyButcher

Um grande fã de jogos e filmes dos gêneros Stealth e Ficção-Científica.

Tenho uma paixão imensa pela franquia Metal Gear Solid, na qual considero a minha favorita, porém também sou um grande amante das sagas Halo e StarCraft.

Moderador do Site, Volta Redonda, Rio de Janeiro