Peter Schlesser, da Columbia Pictures, fala sobre porque o filme de Halo foi cancelado após ficar 4 anos em produção

Peter Schlesser, da Columbia Pictures, fala sobre porque o filme de Halo foi cancelado após ficar 4 anos em produção

Esteve sendo feito de 2005 até 2009, onde seria dirigido pelos diretores Peter Jackson e Neill Blomkamp
#Cinema Publicado por Billy Butcher, em

20 anos atrás, jogadores de todo o mundo deram as boas-vindas a um super soldado ciberneticamente aprimorado chamado Master Chief em seu panteão. Halo: Combat Evolved foi o killer-app da Microsoft para o Xbox original e estabeleceu uma das franquias de mídia de maior sucesso de todos os tempos.

Nenhuma surpresa, dentro de alguns anos, a propriedade Halo estava sendo vendida a estúdios de cinema para uma produção na tela grande. Para alguma surpresa, o que acabou acontecendo foi uma confusão corporativa. As consequências dessa tentativa inicial ainda estão sendo sentidas até hoje. Do que se tratava e por que Halo não foi transformado em filme?

A Microsoft buscou um contrato para o cinema já em 2005, quatro anos após o primeiro Halo e apenas um ano após o Halo 2. Os dois jogos renderam cerca de US$ 600 Milhões combinados até aquele ponto, e a franquia só estava subindo a partir daí.

Para a Microsoft, o Halo era uma joia da coroa, e eles sabiam que poderiam fazer um grande sucesso em Hollywood. A Microsoft e uma agência de Hollywood organizaram uma turnê de desempenho de seu roteiro de Halo, escolhendo três atores como Master Chief (verde, vermelho e azul) e enviá-los para cada um dos principais estúdios de Los Angeles.

A ideia era que os chefes dos estúdios lessem o roteiro em pouco tempo e passassem ou aceitassem os termos estipulados pela Microsoft. Foi uma jogada nunca vista no mundo do cinema ou dos videogames.

Peter Schlesser, produtor da Columbia Pictures, recentemente em uma entrevista, contou que se reuniu com a Microsoft e começou a desenvolver a ideia para a produção de filmes. Eles contrataram o roteirista Alex Garland, que escreveu 28 Days Later, para compor o primeiro rascunho do roteiro de Halo.

Por mais grandiosa que tenha sido a façanha de Master Chief, a maioria dos estúdios aprovou os termos da Microsoft. Eles estavam pedindo muito controle sobre a produção, muita participação nos lucros, mas não estavam dispostos a assumir o risco de investir, contou Schlesser.

Apesar do revés, um novo acordo foi negociado. O projeto foi expandido para incluir um esforço de financiamento conjunto da Universal Studios e da 20th Century Fox. Através da Universal, Peter Jackson (diretor da trilogia The Lord of the Rings) ingressou como produtor executivo.

No início, Guillermo Del Toro foi contratado para dirigir, mas, devido ao seu compromisso com Hellboy II, ele teve que desistir. A visão de Del Toro para o projeto era um ligeiro desvio do material original, embora pudesse ter sido um filme interessante, no entanto.

Como substituto, os estúdios contrataram o novato Neil Blomkamp (diretor de District 9 e Chappie), ​​cujo trabalho paralisado no filme acabou se transformando em Halo: Landfall de 2010, três curtas-metragens de Halo Live-Action usando os adereços e cenários projetados para o filme fracassado.

Blomkamp queria que o filme fosse corajoso, cheio de ação e o mais próximo do estilo Sci-Fi em Space Opera que era a série de videogame quanto o orçamento permitisse. Em 2008, infelizmente, o projeto azedou. O roteiro foi enviado para várias reescritas, uma das quais por DB Weiss (de futura fama de Game of Thrones).

Por um lado, Blomkamp relatou que os produtores da 20th Century Fox Studios não gostavam de trabalhar com ele, nem aprovavam sua visão ou estilo. Por outro lado, os três grandes estúdios envolvidos se fragmentaram e começaram a competir pelo controle, finanças e direção da produção.

A Microsoft queria tudo estritamente conforme seus olhos desejavam, e exigia com firmeza a parte do leão nos lucros. 20th Fox decidiu que não valia mais a pena e desistiu completamente.

A Universal tentou continuar sozinha, mas apenas se a equipe de criação, sendo Peter Jackson, Neil Blomkamp e todos os produtores, sofresse uma grande redução no pagamento. Era a única maneira de manter o financiamento sem a Fox e sem o apoio da Microsoft. A equipe recusou unanimemente e a produção foi interrompida. Esse foi o fim do filme Halo, já em 2009.

O forro prateado de tudo isso? Neill Blomkamp e Peter Jackson continuaram sua associação para fazer o District 9 de 2009, que foi indicado para 4 Oscars, incluindo o de Melhor Filme. Para muitos, esse poderia ter sido o Halo Movie que nunca tivemos.

Embora um filme de Halo ainda não tenha sido feito, houve vários outros lançamentos de sucesso. A maioria foi lançada como material promocional para lançamentos de jogos ou como conteúdo extra para execuções de edições especiais. 2010 teve os curtas animados de Halo: Legends. 2012 vimos a incrível minissérie de ação Forward Unto Dawn.

2014 teve Halo: Nightfall transmitido exclusivamente no Halo Channel dentro da coletânea Halo: The Master Chief Collection via Xbox One, sendo um engancho para a trama do Halo 5: Guardians de 2015.

Além disso, em 2013, uma Série de TV de Live-Action de Halo foi anunciada pela Showtime com Steven Spielberg como diretor. O desenvolvimento estagnou por cerca de 5 anos, mas acelerou novamente em 2018, apenas para ser atrasado novamente pela pandemia COVID. A maior parte das filmagens foi concluída antes da pandemia, felizmente, e a série está em vias de ser lançada ainda este ano.

Se a Série de TV for bem-sucedida, a possibilidade de um filme de de Halo nas grandes telas pode ser retomada outra vez. Esperançosamente, os estúdios envolvidos com esse projeto serão mais dedicados à franquia como um todo.

Fonte: Game Rant
Billy Butcher
Billy Butcher #BillyButcher

Um grande fã de jogos e filmes dos gêneros Stealth e Ficção-Científica.

Tenho uma paixão imensa pela franquia Metal Gear Solid, na qual considero a minha favorita, porém também sou um grande amante das sagas Halo e StarCraft.

Moderador do Site, Volta Redonda, Rio de Janeiro