Juíza do caso Epic Games v. Apple propõe uma solução que não convence nenhuma das empresas

Juíza do caso Epic Games v. Apple propõe uma solução que não convence nenhuma das empresas

Estamos embarcando na terceira semana do caso de tribunal
#Games Publicado por Billy Butcher, em

O julgamento da Epic Games contra a Apple ainda está em andamento após duas semanas de depoimentos, declarações sonoras e vazamentos por toda parte, todos com origem em Fortnite.

Um caso que parece não ter solução no horizonte, e não será por falta de entusiasmo dos tribunais. A juíza Yvonne González Rogers propôs esta semana uma possível solução para o confronto, um compromisso entre as duas partes que mitiga aquele "monopólio da App Store" que a Epic Games acusa, sem prejudicar muito a Apple. Uma solução que não convenceu as duas empresas .

Especificamente, o magistrado propôs permitir que as empresas apresentassem relatórios sobre métodos de pagamento alternativos na App Store e seus aplicativos. A loja iOS, como muitas outras plataformas digitais, proíbe os desenvolvedores de promover ou redirecionar para métodos de pagamento externos (regra 3.1.3 da App Store).

Se este banimento for removido, a Epic não só poderia informar sobre alternativas por meio de sua loja de navegador, mas também ajudaria serviços como Netflix, Spotify, produtos da Microsoft... que até agora não podiam redirecionar para sua página de assinatura do aplicativo.

"O que há de errado com isso, que os consumidores podem escolher?", perguntou Rogers ao economista Richard Schmalensee, testemunha da Apple no julgamento, compartilhado pela Bloomberg.

Bem, como mencionamos antes, a proposta não convence a Apple ou a Epic. No lado da maçã, Schmalensee explica que esta solução causará uma diminuição na receita da App Store:

"Se o vendedor de um aplicativo puder dizer 'se você pressionar este botão, você pode comprar por menos dinheiro', isso significa que a App Store não poderá receber sua comissão.''

O economista deu como exemplo um caso de 2018, em que a Suprema Corte dos EUA indeferiu um caso semelhante contra a American Express, acusada de proibir os comerciantes de incentivar o uso de cartões pré-pagos com taxas mais baixas.

Um exemplo rejeitado por González Rogers, por considerar que não é comparável ao caso da App Store. Após a recusa da Apple, a bola foi para a quadra da Epic:

"Se a Apple não tivesse essas regras, o problema estaria resolvido?", questionou a juíza.

"Isso não eliminaria o poder de mercado que a Apple tem aqui, embora certamente o reduzisse", respondeu David Evans, economista chamado como especialista pela Epic Games, acrescentando no final:

"Não seria uma grande solução em tudo.''

Por enquanto, o julgamento entre a Epic e a Apple entrará em sua terceira semana depois de já ter contado com depoimentos de pessoas como Tim Sweeney e Tim Cook, dirigentes das duas empresas. E também Lori Wright, VP de desenvolvimento Xbox, que garantiu que a Microsoft nunca ganhou dinheiro com a venda de consoles.

Uma declaração que não convenceu a Apple de forma alguma, que solicitou uma prova disso à Microsoft. A empresa não foi a única a estrelar as manchetes deste julgamento, o que também nos deixou com notícias interessantes da competição.

Por um lado, a PlayStation cobra dinheiro para os estúdios para a Sony liberar Cross-Play, e é a única plataforma a fazer isso. E, por outro lado, que a Nintendo inclui cláusulas contra a Yakuza em seus contratos de publicação de videogames.

Fonte 1: 3d juegos
Fonte 2: bloomberg
Billy Butcher
Billy Butcher #BillyButcher

Um grande fã de jogos e filmes dos gêneros Stealth e Ficção-Científica.

Tenho uma paixão imensa pela franquia Metal Gear Solid, na qual considero a minha favorita, porém também sou um grande amante das sagas Halo e StarCraft.

Moderador do Site, Volta Redonda, Rio de Janeiro